News

O DESCANSO E A GRATIDÃO Posted on 08 Sep 20:27 , 0 comments

_

A consciência coletiva expande-se. Os horizontes se alargam e neles vemos a humanidade futura. Um número crescente de cidadãos desperta para o papel central que cada um ocupa na construção de um amanhã justo e fraterno.

O planeta Terra tem sofrido os efeitos da sociedade moderna, concentrada no consumismo material. Assim como as casas revelam o estado de espírito de quem as habita, a Terra reflete a alma humana.

Os problemas ambientais e climáticos são visíveis no corpo planetário do qual somos uma parte e em nosso próprio organismo. A saúde dos indivíduos é influenciada pelo ambiente no qual estão inseridos e o ambiente sofre influências dos pensamentos, das emoções e das atitudes concretas do conjunto dos cidadãos. Como Carlos escreveu na obra “A Vida Secreta da Natureza”:

“De fato, o planeta Terra não é um ecossistema apenas no sentido físico e biológico. Existe também um ecossistema mental e emocional da humanidade, onde as relações (…) são ainda mais diretas e imediatas que no plano físico. (…) As guerras e a destruição do meio ambiente são a continuação não só da política – por outros meios – mas também dos nossos próprios conflitos psicológicos, da nossa cobiça e da nossa ignorância espiritual.” [1]

A reflorestação, a limpeza dos mares, o respeito pelos animais, o desarmamento, e outras iniciativas são de grande importância. Elas despertam os seres humanos para a necessidade de zelar pelo planeta e pela vida, ao mesmo tempo que colocam em marcha modelos sustentáveis de desenvolvimento. No entanto, essas ações só se tornam algo realmente efetivo quando partem do centro interno dos indivíduos.

Os problemas são solucionados agindo no plano das causas e é nesse sentido que devemos direcionar nosso esforço. As causas dos maiores problemas e das dores desnecessárias que vivemos hoje resumem-se ao egoísmo. Carlos escreveu:

“A fonte primária da destruição ambiental é a ganância, que também causa todas as injustiças sociais. Para muitos iniciantes do caminho espiritual, a ganância de bens materiais já não é mais um problema. E então pensamos que não temos nada a ver com a destruição do meio ambiente, causada pelo consumismo desenfreado. Mas a questão é mais complexa. Quando o iniciante do caminho místico renuncia à busca da riqueza material, muitas vezes ele substitui uma ganância por outra e desenvolve ambições espirituais. Então ele pode esconder sob a fachada de um comportamento aparentemente altruísta o orgulho, a ambição, e a mesma ganância daquele que descumpre as leis ambientais para ganhar dinheiro de curto prazo à custa do nosso ar, da nossa água e do nosso solo.”[2]

Para curar o planeta é preciso restaurar a família humana.

Cada vez que um indivíduo reconhece sua própria ganância e refloresta lentamente seu ser com as árvores da sabedoria, do respeito e da consciência divina, a Terra fortalece seu equilíbrio e expressa gratidão através de coisas tão simples como a chuva que chega em um dia demasiado quente.

Auxiliamos a vida e sua evolução quando estreitamos laços com o eu superior e cultivamos no espaço interno o silêncio e a tranquilidade da alma. Essa é a atitude que nos coloca em contato com o bom, o belo e o verdadeiro e nos faz expressar no mundo ao redor a harmonia celeste. Como o livro “A Vida Secreta da Natureza” afirma: “Podemos descansar do apego, da cobiça, do medo e da ambição. Tudo está eternamente aqui e agora.” [3]

(Joana Maria Pinho)

NOTAS:

[1] Reproduzido do livro “A Vida Secreta da Natureza”, de Carlos Cardoso Aveline, Bodigaya, Porto Alegre, 2007, 157 pp., pp. 61-62.

[2] “A Vida Secreta da Natureza”, de Carlos Cardoso Aveline, obra citada, p. 62.

[3] “A Vida Secreta da Natureza”, de Carlos Cardoso Aveline, obra citada, p. 67.

000

A mensagem acima foi publicada originalmente no e-grupo SerAtento, em YahooGrupos.
.
000
000